terça-feira, 30 de março de 2010

A espiritualidade da cruz

Todo homem é para si mesmo o maior mistério e o mais difícil problema.

Cristo é o sumo sacerdote e vítima que se entrega ao PAI, a cruz é o seu altar de sacrifício. Desde a cruz, JESUS nos ensina a doutrina mais sublime do amor, por isso a cruz também é a sua cátedra. E na cruz, CRISTO está coroado de espinhos, mas desde ali ele governará misericordiosamente o mundo como Rei, e a cruz é o seu trono.
Fomos batizados na morte de CRISTO, escreve São Paulo, fomos crucificados com Ele. O mistério do batismo significa unir-se a Nosso Senhor crucificado para participar também na sua ressurreição.
Cada subida de um alpinista a uma montanha com a cruz em cima requer o exercício da renúncia. Deve-se vencer o cansaço e o desânimo até que finalmente chegue à sua meta. Lá em cima a vista amplia-se. Assim é também com a ciência da cruz, aprendendo com a cruz a alma torna-se mais madura, com um olhar mais amplo que vê ao essencial. Este esforço, que vale a pena, é o que chamamos a espiritualidade da cruz.
Qual é a espiritualidade da cruz? Em 1 Cor 3,1 lemos: com leite vos criei, e não com carne... Esta comida forte, da qual São Paulo está falando, muitos interpretam como sendo a espiritualidade forte da cruz, é a luta contra si mesmo.

A nossa imitação de CRISTO como amigos da cruz
O mesmo CRISTO nos chama ao seguimento da Cruz (cf. Mt 16,24). Pois Ele não veio para trazer a paz, mas a espada, a cruz (Mt 10,34). Por isso, os santos, amigos da cruz, se distinguem pela sua inclinação amorosa para a cruz. Eles estão preparados e dispostos a deixar-se cravar com CRISTO na cruz (cf. Gal 2,19). Porque o Filho de DEUS assumiu a condição de servo (cf. Fil 2,7), eles levam diante de DEUS, o título honorável de servos, segundo o exemplo dos apóstolos (cf. Tg 1,1; Jd 1) e dos Santos Anjos (cf. Ap 19,10; 22,9).
Em cada santa Missa somos colocados sob a cruz. Quando escutamos a palavra de DEUS dizendo: Se alguém quiser vir após Mim... (cf. Mt 16,24), pensamos que isso parece muito duro, que nos dá medo, negar-nos a nós mesmos, abandonar-nos, não pensar mais nos bens deste mundo para pensar somente no céu. Pensemos talvez que isto é para os que têm vocação de santos e mártires, mas não para nós.
Mas, resulta que o Senhor veio para salvar a todos. Aceitar a cruz custa, porque ninguém gosta do sofrimento, nem da dor. Por isso, para aceitar a cruz é preciso:
- pedir a graça a DEUS
- amar profundamente a DEUS e entender o sacrifício de estar pregado numa cruz por amor e pela salvação de toda a humanidade
- somente através do amor em CRISTO se pode entender e amar a cruz.
A maioria de nós chegou a entender o amor através da dor. São Pedro escreve (1 Pe 4,13): Alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de CRISTO, para que também na revelação da Sua glória vos regozijeis e alegreis. Devido a este sinal santo da cruz, que – desde o batismo – leva-se na frente como uma marca para toda a eternidade, o Redentor nos leva com Ele na Sua via sacra. Por este sinal, Ele nos conta entre os seus fiéis. Onde estiver o Senhor, deve estar também o servo. Não tenhas medo da cruz. É o sinal de triunfo, o sinal da tua eleição, a tua chave para o céu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário