quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O Rosário de Grignion de Montfort


Missionário, Grignon de Montfort subia o Rio Sena em uma embarcação cumulada de, pelo menos, umas 200 pessoas a se acotovelarem, rindo grosseiramente, cantando canções lascivas. Há pouco engajado neste vaivém de comerciantes de gado e peixeiros, o senhor de Montfort começa por ajustar o seu crucifixo, na ponta do próprio bastão. Em seguida, prostrando-se, grita: "Aqueles que amam Jesus Cristo, juntem-se a mim, para adorá-Lo."

Balançares desdenhosos de ombros, risadas e chacotas o acolheram. Então, voltando-se para o Irmão Nicolas, disse: "De joelhos, recitemos o Rosário!" Sob uma avalanche de deboches, os dois homens, cabeças descobertas, rostos concentrados e tranqüilos, desfiavam as Ave-Marias. Assim que terminaram o primeiro terço do Rosário, o Santo se levantou e com a voz doce convidou a assistência a se unir a ele para invocar Maria. Ninguém se mexeu, mas as vaias serenaram no momento em que a oração recomeçava. À medida que as invocações "Santa Maria, rogai por nós, pobres pecadores" se sucediam, o rosto do Santo se transfigurava.

Concluídas as cinco novas dezenas, nota-se em seu olhar tal súplica e, em sua voz, tanta unção e autoridade que, no momento em que conjura a assistência a recitar com ele a terceira parte do Rosário, todos caem de joelhos e repetem docilmente as suas palavras, esquecidas desde a infância. O santo sacerdote pôde então se alegrar: de um teatro de obscenidades, ele fez um santuário; aos lábios acostumados às blasfêmias, ele restituiu o nome de Maria.

Antologia Mariana 1975 p. 12

Um comentário: