segunda-feira, 4 de abril de 2011

Papa: que atitude assumimos frente a Jesus?


Queridos irmãos e irmãs!

O itinerário quaresmal que estamos vivendo é um tempo de graça particular, durante o qual podemos experimentar o dom da benevolência do Senhor para conosco. A liturgia deste domingo, chamado ‘Laetare’, convida-nos à alegria, à plenitude, tal e como proclama a antífona da entrada da celebração eucarística: “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações!” (cf. Is 66, 10-11).

Qual é a razão profunda desta alegria? Diz-nos o Evangelho de hoje, em que Jesus cura um homem cego de nascimento. A pergunta que o Senhor Jesus dirige àquele que havia sido cego constitui o cume do relato: “Tu crês no Filho do Homem?” (Jo 9, 35). Aquele homem reconhece o sinal realizado por Jesus, e passa da luz dos olhos à luz da fé: “Eu creio, Senhor!” (Jo 9, 38). Há que ressaltar como uma pessoa simples e sincera, de forma gradual, realiza um caminho de fé: em um primeiro momento, encontra-se com Jesus como um “homem” entre os demais, depois o considera um “profeta”, finalmente, seus olhos se abrem e o proclama “Senhor”. Em oposição à fé do cego curado está o endurecimento do coração dos fariseus, que não querem aceitar o milagre, porque rejeitam acolher Jesus como o Messias.


A multidão, em contrapartida, detém-se a discutir sobre o fato e permanece distante e indiferente. Os próprios pais do cego são vencidos pelo medo do julgamento dos demais. E nós, que atitude assumimos frente a Jesus? Também nós, por causa do pecado de Adão, nascemos “cegos”, mas frente à fonte batismal fomos iluminados pela graça de Cristo. O pecado tinha ferido a humanidade, destinando-a à escuridão da morte, mas em Cristo resplandece a novidade da vida e a meta à qual fomos chamados. N’Ele, revigorados pelo Espírito Santo, recebemos a força para vencer o mal e realizar o bem. De fato, a vida cristã é uma configuração contínua a Cristo, imagem do homem novo, para chegar à plena comunhão com Deus. O Senhor Jesus é “a luz do mundo” (Jo 8, 12), porque n’Ele “resplandece o conhecimento da glória de Deus” (2 Cor 4, 6), que continua revelando na complexa trama da história qual é o sentido da existência humana. No rito do Batismo, a entrega da vela, acesa no grande círio pascal símbolo de Cristo Ressuscitado, é um sinal que ajuda a captar o que acontece no Sacramento.

Quando nossa vida se deixa iluminar pelo mistério de Cristo, experimenta a alegria de ser libertada de tudo que ameaça sua realização plena. Nestes dias que nos preparam para a Páscoa, reavivemos em nós o dom recebido no Batismo, essa chama que às vezes corre o risco de ser sufocada. Que nós a alimentemos com a oração e a caridade com o próximo. À Virgem Maria, Mãe da Igreja, confiamos o caminho quaresmal, para que todos possam encontrar Cristo, Salvador do mundo.

Fonte: CIDADE DO VATICANO, domingo 3 de abril de 2011 (ZENIT.org)

Nenhum comentário:

Postar um comentário